Pubicado em: seg, jul 29th, 2013

Papa Francisco se despede do Brasil: ‘Até breve, com saudades’

O Papa Francisco despediu-se do Brasil na noite deste domingo (28) após discursar na Base Aérea do Galeão, Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. “Parto com a alma cheia de recordações felizes”, disse.

Francisco embarcou para Roma às 19h21. No Brasil, desde segunda-feira (22), ele cumpriu uma intensa agenda de eventos e pediu empenho na renovação da Igreja. O motivo principal da visita foi a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que chegou a reunir 3,5 milhões em Copacabana, segundo a organização. E foi em um dos eventos na praia que o Papa anunciou que a próxima JMJ será em 2016 na Cracóvia, Polônia.

 No discurso de despedida, o Papa disse que já está com saudades, agradeceu aos voluntários e lembrou de locais que visitou durante a estada no país. Antes, rumo ao Galeão, fez um sinal de coração com as mãos aos fiéis (Assista no vídeo ao lado).

“Dentro de alguns instantes, deixarei sua Pátria para regressar a Roma. Parto com a alma cheia de recordações felizes. Essas, estou certo, se tornarão oração. Neste momento, já começo a sentir saudades. Saudades do Brasil, este povo tão grande e de grande coração, este povo tão amoroso”, agradeceu Francisco. (Leia a íntegra ao final)

Parto com a alma cheia de recordações felizes. Essas, estou certo, se tornarão oração. Neste momento, já começo a sentir saudades. Saudades do Brasil, este povo tão grande e de grande coração, este povo tão amoroso”
Papa Francisco

“Saudades do sorriso aberto e sincero que vi em tantas pessoas, saudades do entusiasmo dos voluntários. Saudades da esperança no olhar dos jovens no Hospital São Francisco. Saudades da fé e da alegria em meio à adversidade dos moradores de Varginha. Tenho a certeza de que Cristo vive e está realmente presente no agir de tantos e tantos jovens e demais pessoas que encontrei nesta inesquecível semana. Obrigado pelo acolhimento e o calor da amizade que me foram demonstrados. Também disso começo a sentir saudades”, afirmou o pontífice, que foi aplaudido.

O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou que o Papa “não encantou apenas os jovens”. “Voltou a despertar a fé em todos os brasileiros”, disse. “Um verdadeiro evangelizador, como Cristo. (…) Quando voltar ao Brasil, ao que me parece, em 2017, não precisará bater nas portas, porque elas estão permanentemente abertas.”

Francisco novamente reiterou o pedido para que os fiéis rezem por ele. “O Papa vai embora e lhes diz ‘até breve’, um ‘até breve’ com saudades, e lhes pede, por favor, que não se esqueçam de rezar por ele. Este Papa precisa da oração de todos vocês. Um abraço para todos. Que Deus lhes abençoe!”, concluiu.

Francisco no Brasil
Em uma semana no Brasil, o Papa Francisco reuniu milhões de pessoas no Rio de Janeiro e em Aparecida, interior de São Paulo, durante a JMJ 2013. Carismático, bebeu mate, abraçou fiéis, desceu do papamóvel, abençoou crianças, jovens e adultos com palavras de fé e coragem, mas também com discursos duros, contra a desigualdade social, pedindo mais amor aos pobres e mais respeito aos políticos e às instituições.

Aos jovens voluntários da Jornada, no Riocentro, pediu coragem de “ir contra a corrente” e de “ser felizes”, em seu último evento público antes de partir para Roma. E encerrou: “Rezem por mim”.

“Não podia regressar a Roma sem antes agradecer, de modo pessoal e afetuoso, a cada um de vocês pelo trabalho e dedicação com que acompanharam, ajudaram, serviram aos milhares de peregrinos, pelos inúmeros pequenos detalhes que fizeram desta Jornada Mundial da Juventude uma experiência inesquecível de fé”, afirmou Francisco.

Eu peço a vocês que sejam revolucionários, que vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem; que se rebelem contra essa cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, que não são capazes de amar a verdade. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de “ir contra a corrente”. Tenham a coragem de ser felizes!”
Papa Francisco

O Papa disse que “na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é “curtir” o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas ‘para sempre’, uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã”.

“Eu peço a vocês que sejam revolucionários, que vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem; que se rebelem contra essa cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, que não são capazes de amar a verdade. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de “ir contra a corrente”. Tenham a coragem de ser felizes!”, pediu o Papa Francisco, aplaudido pelos jovens.

Bispos na periferia
Antes, durante encontro com a coordenação do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), e afirmou aos bispos que eles devem fugir de diversas tentações, entre elas, o funcionalismo, e devem focar seu trabalho de evangelização nas periferias.

saiba mais

“Gosto de dizer que a posição de um discípulo missionário não é de centro, mas de periferia”, afirmou Francisco. Ele disse ainda que se colocar como “centro” é uma tentação que descaracteriza a Igreja, que se transforma em uma ONG.

O encontro tratou da importância dos missionários na América Latina. Segundo o Papa, o “funcionalismo” é outro problema, que pode ser “paralisante”. “Peço que não se ofendam, mas creio que estamos muito atrasados”, disse o Papa Francisco, ao falar sobre o trabalho das pastorais na América Latina.

Francisco fez questionamentos sobre o papel da Igreja e perguntou se agentes pastorais e fiéis se sentem parte dela. Em seguida, o Papa tratou da forma como evangelizar. “A pastoral é, em última instância, o exercício de maternidade da Igreja”, disse.

O Papa afirmou que o papel dos bispos deve ser de “padres irmãos, pacientes e misericordiosos e homens que amem a pobreza”, que não sejam ambiciosos e não tenham “psicologia de príncipes”. Para o Papa, os bispos devem manter seu povo unido e cuidar da esperança dele.

Último dia no país
A última missa do Papa Francisco reuniu 3,5 milhões de pessoas em Copacabana durante a manhã, segundo os organizadores. Francisco pediu aos jovens que façam discípulos em todas as nações e transmitam a experiência vivenciada na Jornada Mundial da Juventude a outras pessoas. Ele voltou a dizer que é preciso ir sem medo para servir. “Não tenham medo de ir e levar Cristo para todos os ambientes”, afirmou.

“A experiência deste encontro não pode ficar trancafiada na vida de vocês ou no pequeno grupo da paróquia, do movimento, da comunidade de vocês. Seria como cortar o oxigênio a uma chama que arde. A fé é uma chama que se faz tanto mais viva quanto mais é partilhada, transmitida, para que todos possam conhecer, amar e professar que Jesus Cristo é o Senhor da vida e da história”, disse o religioso.

‘Saiam às ruas!’
No sábado (27), o pontífice engrossou o discurso político contra a desigualdade, pela aproximação dos mais pobres e pediu que jovens de todo o mundo, aqueles que querem ser “protagonistas da mudança”, “sigam superando a apatia” de forma “ordenada e pacífica”: “Saiam às ruas!”, disse Francisco.

O pontífice falou também sobre Estado laico, que, de acordo com ele, é “favorável à pacífica convivência entre religiões diversas”. O Papa começou o sábado com uma missa a bispos e padres na Catedral Metropolitana de São Sebastião, seguido de reunião com representantes da sociedade civil, quando discursou. Ele encerrou a maratona falando aos peregrinos, que tomaram completamente a Orla de Copacabana (saiba como foi o 6º dia do Papa no Brasil).

Por volta das 6h30 deste domingo (28), Francisco voltou a usar o Twitter para se dirigir aos jovens em linguagem bem informal: “Queridos jovens, sejam verdadeiros ‘atletas de Cristo’! Joguem no seu ‘time’!”, publicou.

Despedida
Leia a íntegra do discurso de despedida do Papa:

“Senhora Presidenta da República,
Distintas Autoridade Nacionais, Estaduais e Locais,
Senhor Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro,
Senhores Cardeais e Irmãos no Episcopado,

Queridos Amigos!

Dentro de alguns instantes, deixarei sua Pátria para regressar a Roma. Parto com a alma cheia de recordações felizes; essas – estou certo – tornar-se-ão oração. Neste momento, já começo a sentir saudades. Saudades do Brasil, este povo tão grande e de grande coração; este povo tão amoroso. Saudades do sorriso aberto e sincero que vi em tantas pessoas, saudades do entusiasmo dos voluntários. Saudades da esperança no olhar dos jovens no Hospital São Francisco.

Saudades da fé e da alegria em meio à adversidade dos moradores de Varginha. Tenho a certeza de que Cristo vive e está realmente presente no agir de tantos e tantos jovens e demais pessoas que encontrei nesta inesquecível semana. Obrigado pelo acolhimento e o calor da amizade que me foram demonstrados. Também disso começo a sentir saudades.

De modo particular agradeço à Senhora Presidenta, por ter-se feito intérprete dos sentimentos de todo o povo do Brasil para com o Sucessor de Pedro. Cordialmente agradeço a meus Irmãos Bispos e seus inúmeros colaboradores por terem tornado estes dias uma celebração estupenda da nossa fé fecunda e jubilosa em Jesus Cristo. Agradeço a todos os que tomaram parte nas celebrações da Eucaristia e nos restantes eventos, àqueles que os organizaram, a quantos trabalharam para difundi-los através da mídia. Agradeço, enfim, a todas as pessoas que, de um modo ou outro, souberam acudir às necessidades de acolhida e gestão de uma multidão imensa de jovens, sem esquecer de tantas pessoas que, no silêncio e na simplicidade, rezaram para que esta Jornada Mundial da Juventude fosse uma verdadeira experiência de crescimento na fé. Que Deus recompense a todos, como só Ele sabe fazer!

Neste clima de gratidão e saudades, penso nos jovens, protagonistas desse grande encontro: Deus lhes abençoe por tão belo testemunho de participação viva, profunda e alegre nestes dias! Muitos de vocês vieram como discípulos nesta peregrinação; não tenho dúvida de que todos agora partem como missionários. A partir do testemunho de alegria e de serviço de vocês, façam florescer a civilização do amor. Mostrem com a vida que vale a pena gastar-se por grandes ideais, valorizar a dignidade de cada ser humano, e apostar em Cristo e no seu Evangelho. Foi Ele que viemos buscar nestes dias, porque Ele nos buscou primeiro, Ele nos faz arder o coração para anunciar a Boa Nova nas grandes metrópoles e nos pequenos povoados, no campo e em todos os locais deste nosso vasto mundo. Continuarei a nutrir uma esperança imensa nos jovens do Brasil e do mundo inteiro: através deles, Cristo está preparando uma nova primavera em todo o mundo. Eu vi os primeiros resultados desta sementeira; outros rejubilarão com a rica colheita!

O meu pensamento final, minha última expressão das saudades, dirige-se a Nossa Senhora Aparecida. Naquele amado Santuário, ajoelhei-me em prece pela humanidade inteira e, de modo especial, por todos os brasileiros. Pedi a Maria que robusteça em vocês a fé cristã, que é parte da nobre alma do Brasil, como também de muitos outros países, tesouro de sua cultura, alento e força para construírem uma nova humanidade na concórdia e na solidariedade.

O Papa vai embora e lhes diz “até breve”, um “até breve” com saudades, e lhes pede, por favor, que não se esqueçam de rezar por ele. Este Papa precisa da oração de todos vocês. Um abraço para todos. Que Deus lhes abençoe!

 

Curta nossa página no facebook: http://www.facebook.com/PortalSaibaMais

Do G1