70-410 MB2-703 200-120 70-461 C_TADM51_731 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 070-680 70-413 C4060-155 OG0-092 1Y0-400 200-101 70-332 98-367 C2020-180 MB6-872 648-232 312-50V8 1Z0-599 220-010 1Z0-052 700-505 C2090-632 700-501 N10-005 70-981 HP2-H35 98-361 070-323 1Z0-876 300-135 1V0-604 642-747 642-742 AX0-100 1Z0-808 OG0-023 ST0-306 C2090-558 JN0-694 S90-09A 300-207 3I0-013 TK0-201 1Z0-061 1Z0-883 HP2-H39 C_TSCM62_66 VCS-273 500-451 TE0-141 500-170 C2020-625 312-75 70-697 HP2-Z34 117-201 C_GRCAC_10 NS0-157 820-427 C_TSCM42_66 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 70-484 70-498 70-646 98-361 98-366 A30-327 C_BOE_30 C_TSCM42_66 C2010-597 C2020-632 C2020-701 C2020-703 C2040-408 C2040-988 C2070-581 C2150-195 C2160-667 C2180-274 C4040-226 C4090-453 CAS-001 CSSLP C-TERP10-60 E20-018 E20-918 JN0-360 MSC-321 P2080-088 PC0-001 PEGACSA-v6.2 3I0-012 500-051 640-875 640-916 642-427 642-647 642-691 650-663 700-037 70-247
Pubicado em: qua, dez 5th, 2018

Brasileira gera bebê em útero de morta; caso é inédito no mundo

Brasil é único país a ter bebê gerado em útero de doadora morta.

Uma menina paulistana prestes a completar 1 ano de idade é a primeira criança, no mundo, gestada por uma mãe que recebeu um útero de uma doadora falecida. O procedimento de sucesso ainda único no planeta foi realizado por uma equipe do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo no ano passado, e agora está sendo oficialmente relatado em artigo publicado ontem no prestigiado periódico científico médico “The Lancet”.

Vítima da chamada Síndrome de Rokitansky, a analista de recursos humanos X — que pediu para não ser identificada — só descobriu que tinha nascido sem útero aos 25 anos, após conhecer o atual marido e pai da criança. Conformada, ela, hoje com 34 anos, achava que assim nunca teria filhos naturalmente. Opinião que começou a mudar em 2014, quando descobriu por meio de grupo de apoio a mulheres com o problema do sucesso de operações de transplante de útero na Suécia. Mesmo assim, X não pensava que poderia vir a se beneficiar do procedimento, ainda experimental.

 (Crédito: Arquivo Pessoal)
(Crédito: Arquivo Pessoal)

Achava que isso ia demorar muito para chegar no Brasil, só daqui a dez anos ou mais, quando eu não teria mais idade para fazer — comenta.

Ledo engano. Então, os médicos Dani Ejzenberg e Wellington Andraus, do Centro de Reprodução Humana do HC da USP, que já tinham começado a trabalhar na técnica em experimentos com ovelhas, seguiam para Gotemburgo, Suécia, justamente para curso com Mats Brännström, profissional que liderou o desenvolvimento do procedimento na universidade da cidade.

— Ficamos lá uma semana e ele compartilhou o protocolo para uso da técnica em humanos — conta Ejzenberg.

De volta ao país, os médicos brasileiros continuaram seus estudos com animais, mas também logo iniciaram as tratativas para fazer as primeiras operações em humanos, com uma diferença fundamental: os úteros viriam de mulheres falecidas. Até então, todas as poucas histórias de sucesso do procedimento, com o nascimento de crianças vivas, no mundo tinham sido de transplantes do órgão de doadoras vivas.

Isto, porém, não assustou Ejzenberg e Andraus, dispostos a evitar seus consequentes problemas, sendo os principais a dificuldade de obter as doações e os riscos que a operação de retirada do útero representa para as doadoras.

— A vantagem de uma doadora falecida é que não temos o risco cirúrgico na retirada e ela é mais simples, mais curta e com um custo menor — destaca Ejzenberg. — Mas o mais importante é que isso ajuda a universalizar o acesso a esta opção. Para ter uma doadora viva, é preciso que em geral uma amiga ou parente se disponha a doar seu útero. Já o útero de uma falecida pode ser retirado junto com outros órgãos pelas redes de captação existentes.

Processo que duas mulheres com o mesmo problema de X aguardam ansiosamente que aconteça para terem a mesma alegria que ela junto da filha.

— Eu e meu marido estamos muito felizes — diz. — É um sonho realizado. Para estas mulheres que estão na fila, digo para não perderem a fé nunca. Hoje estou com minha filha nos meus braços, e amanhã podem ser elas.

Equipe médica do HC que realizou o transplante

Equipe médica do HC que realizou o transplante Divulgação/Portal do Governo do Estado de SP

Curta nossa página no facebook: http://www.facebook.com/PortalSaibaMais


Fonte: Com informações do O Globo